Quem tem medo do maior avião do mundo?

Ontem, dia 26 de março, a Emirates comemorou um ano do início das operações regulares, no Brasil, do super avião Airbus A380 — o maior avião comercial em operação do mundo. Já falamos dele aqui no rivotravel

(Ei, se foi ontem, por que a matéria está saindo só hoje? Pois é, comemos mosca, mas vida que segue. Quem nunca deu parabéns atrasado?)

Então, quando chegou em solo nacional, em Guarulhos, o modelo trouxe também uma série de incertezas por parte dos amantes da aviação comercial. Teria o Brasil mercado para receber o avião? Não só teve como, de lá para cá, já foram confirmadas cinco novas frequências semanais com o Boeing 777. Vale lembrar que a chegada do monstrinho (♡) “coincidiu” com a saída do país de outra companhia lá dos Emirados Árabes Unidos, a Etihad (que também usa o A380 em suas rotas). 

Mas onde entra o medo do A380? Calma (risos, o site é chamado rivotravel e eu peço calma) que eu chego lá.

 
 Pássaros metálicos? Será que Hitchcock era um panicado? Pesquisar

Pássaros metálicos? Será que Hitchcock era um panicado? Pesquisar

 

Antes, vamos dar uma situada. O avião começou a voar com a Singapore Airlines em outubro de 2007 — gente, como o tempo voa (trocadilho infame esse). O A380 oferece às companhias uma área de 450m² (de cabine de passageiros), quase o dobro do segundo maior avião do mundo, o Boeing 747. Isso é maior que muito apartamento de luxo! Tem autonomia de voo de aproximadamente 15.700km, o que, por exemplo, cobre a rota Dallas (EUA) — Sydney (Austrália).

Bem, se o mercado brasileiro tinha um pé atrás com o coitado do A380, eu tenho os dois! E tenho meus motivos. Morro de aflição do chão da aeronave desabar! Sei que esse argumento não tem muita lógica, afinal, o 747 também tem um — pequeno — segundo andar. E medo lá segue lógica,  por acaso? Já voei muito em 747 nos anos 1980, nos tempos áureos da Alitalia e da Varig. Hoje em dia acho que entraria um pouco ressabiado em um. Sei que a engenharia aeronáutica avança a cada ano, mas sei não… essa coisa de ter mais de um andar pra mim é coisa de prédio! Além do mais, vocês já viram um de perto? É um mastodonte, enorme! Se eu já fico passado ao ver um teco-teco voando, imagina só encarar um A380? Como aquilo sai do chão?

 
 Ilustração de seção transversal do A380 com seus dois andares e compartimento de carga embaixo. (Foto: Clem Tillier — Own work — Domínio Público)

Ilustração de seção transversal do A380 com seus dois andares e compartimento de carga embaixo. (Foto: Clem Tillier — Own work — Domínio Público)

 

Outra coisa: em sua capacidade máxima, o A380 pode levar até 853 pessoas. Como dizem que um terço dos viajantes tem algum tipo de desconforto ou mesmo medo de voar, isso dá quase 300 panicadas e panicados juntos! Misericórdia!

Tudo bem que, ao longo desses mais de dez anos de operações, o A380 teve poucos incidente mais sérios. Um foi em 2010, num voo da australiana Quantas que decolou de Singapura (Cingapura? Vamos ao Google… bem, varia de acordo com a fonte. Aparentemente, em português, as duas formas estão corretas).

FOCO, SALVATORE!

Enfim, o voo saiu de CCSSCCSSingapura em direção a Sydney. No meio do caminho, lá ia ele, belo, quando houve uma falha em um dos quatro motores. Medo! Pequenos pedaços chegaram a cair em uma das ilhas da Indonésia. Investigações concluíram que foi um erro de fabricação. GRITO! BERRO! O outro perrengue que levou susto a quase 500 passageiros aconteceu em setembro de 2017, em um avião da Air France que ia de Paris (França) a Los Angeles (EUA). O avião perdeu o material que revestia uma das turbinas, mas acabou fazendo um pouso de emergência sem vítimas no Canadá.

 
 Airbus A380 da Singapore Airlines momentos antes de decolar no Aeroporto de Zurique. Como que um bichão desse voa? (Foto:  Rolf Wallner )

Airbus A380 da Singapore Airlines momentos antes de decolar no Aeroporto de Zurique. Como que um bichão desse voa? (Foto: Rolf Wallner)

 

Ok, ok, todos os modelos, sobretudo nos primeiros anos de vida, passam por pequenos problemas que vão sendo sanados e reparados, mas…

…esse negócio de dois andares não me desce.